DOI 10.11606/D.22.2018.tde-24042018-191427
Documento  Dissertação de Mestrado
Autor  Guandolini, Ricardo Henrique (Catálogo USP)
Nome completo  Ricardo Henrique Guandolini
Unidade da USP  Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto
Área do Conhecimento  Enfermagem Psiquiátrica
Data de Defesa  2018-01-30
Imprenta  Ribeirão Preto, 2017
Orientador  Saeki, Toyoko (Catálogo USP)
Banca examinadora
Saeki, Toyoko (Presidente)
Gonçalves, Marlene Fagundes Carvalho
Mainieri, Alessandra Ghinato
Palha, Pedro Fredemir
 Título em português  Significado de alucinação e mediunidade para profissionais da saúde mental de um hospital psiquiátrico e médiuns de um centro espírita de um município paulista
 
Resumo em português
 
As pesquisas que estudam a relação entre fenômenos mediúnicos e saúde mental, embora tenham aumentado nas últimas décadas, ainda não produziram informações suficientes para a consolidação de práticas alternativas às tradicionais. Entretanto, a literatura aponta a necessidade de ampliar os dados por meio de pesquisas que aprofundem nessa temática. Realizou-se um estudo transversal de natureza exploratório-descritiva com abordagem qualitativa dos dados, com objetivo de investigar os significados de alucinação e mediunidade por médiuns de um centro espírita e profissionais da saúde mental de um hospital psiquiátrico de um município paulista. Foram entrevistados 10 médiuns e 10 profissionais de saúde. Utilizou-se como referencial teórico metodológico a abordagem Histórico-Cultural baseada na obra de Vigotski e os Núcleos de Significação de Wanda Aguiar e Sérgio Ozella baseados no referido autor. Foram construídos de três núcleos de significação: "Entre o real e o imaginário: alterações e perturbações"; "Entre o fenômeno e a religião: razão ou loucura"; e "Entre o patológico e o espiritual: fenômenos que se relacionam, mas são distintos". Os resultados demonstram que os médiuns significam a mediunidade com mais precisão do que os profissionais da saúde mental enquanto estes significam a alucinação conceitualmente com mais exatidão. Contudo os significados de alucinação para os médiuns e o de mediunidade para os profissionais não destoam, o que demonstra a disseminação cultural dos conceitos. A maioria dos médiuns e profissionais relataram ter dificuldade para distinguir os fenômenos pesquisados e referiram desconhecer a literatura produzida sobre o tema
 
Título em inglês  The meaning of hallucination and mediumship for mental health professionals from a pyschiatric hospital and mediums from a spiritist center in a city in the state of São Paulo
 
Resumo em inglês
 
Although research about the relationship of mediumic phenomena and mental health has grown in the past decades, it has yet to produce sufficient information for the consolidation of practices alternative to traditional ones. However, literature shows the need to expand data through research that can dive deeper into this topic. This work makes a transversal study of exploratory-descriptive nature, with qualitative approach of data, aiming to explore the meaning of hallucination and mediumship for mediums in a spiritist center and mental health professionals from a psychiatric hospital, in a city in the state of São Paulo. Ten mediums and ten health professionals have been interviewed. As theoretical reference, the Historic-Cultural approach based on Vigotski and the Nuclei of Meanings of Wanda Aguiar and Sérgio Ozella, based also on the said author, have been employed. Three Nuclei of Meanings have been developed: "Between real and imaginary: alterations and perturbations"; "Between phenomenon and religion: reason or insanity"; and "Between pathological and spiritual: related but distinct phenomena". Results show that mediums signify mediumship with more precision when compared to mental health professionals, while the latter signify hallucination conceptually with more accuracy. However, the meanings of hallucination for mediums and mediumship for mental health professionals do not diverge, showing the cultural dissemination of these concepts. Most mediums and mental health professionals report difficulty to distinguish the researched phenomena and claimed to ignore the literature produced about the topic