evolucaonosdiasdejojeÉ comum as pessoas dizerem que tudo está piorando no mundo. Existem muita miséria, terremotos, guerras, drogas, doenças, ignorância, corrupção etc. Muita gente se refere a vida como sendo melhor antes do que agora. Antigamente, não existiam tantos marginais. As crianças respeitavam mais os adultos e os professores nas escolas. Havia maior responsabilidade nas famílias, nas religiões, nas cidades e nos países. Hoje tudo está mudado, mais difícil. Os mais pessimistas dizem que estamos caminhando para o caos, ou seja, para a destruição total. Outros tem um pouco de esperança numa vida melhor e simplesmente vivem reclamando dos problemas do dia a dia.

Neste contexto, surgem os aproveitadores do pessimismo que não perdem a oportunidade para se beneficiarem dessa situação. É o caso de determinadas religiões que exploram a fé cega do povo, prometendo uma vida melhor em nome de Deus. Com isso, eles definem os culpados para a crise, como sendo o governo, a televisão, os filmes e outros. Segundo estes, o homem se desviou de Deus e Ele está triste com a humanidade. Os grandes cataclismos do planeta, como terremotos, furacões, enchentes e secas existem em função da perdição do homem. Mas concluem: "Nem tudo está acabado. Deus é bondoso e lhe perdoará, desde que você mantenha em dia as suas obrigações com Ele e com a nossa igreja".

Por outro lado, a Doutrina Espírita, mostra-nos uma outra face dessa moeda, completamente diferente, dizendo que tudo está em harmonia no universo, e consequentemente, em nosso planeta Terra. Aliás, o nosso planeta já está subindo degraus na escada da evolução geral das moradas de Deus. Mas então como fica essa contradição?

A verdade é que nunca houve, não há e nunca haverá contradição alguma entre o que ocorreu, ocorre e ocorrerá na vida na Terra e a evolução eterna, pois a evolução é uma Lei Divina e imutável. Assim sendo, acreditamos que realmente tudo está em harmonia no universo sob a proteção da Providência de Deus, falta-nos, portanto, a compreensão do ponto em que estamos.

Para entendermos a evolução é preciso elevarmos nossa razão muito acima do que nos acostumamos fazê-la. O problema é que também estamos restritos, como seres encarnados, a essa elevação mental, mas com um pouco de boa vontade e bom senso, poderemos perceber um pouco essa realidade. A dificuldade começa quando queremos entender o próprio ser humano, tendo em vista as suas atitudes aparentes, pois não podemos penetrar no íntimo de uma pessoa para realmente conhecer o seu grau evolutivo. Somente ela mesma é capaz de saber o que realmente sente, ainda assim, limitada pela matéria e pelo seu próprio grau evolutivo. Resta-nos apenas a manifestação do seu espírito, ou seja, o seu comportamento perante a sociedade, mas ele pode não exprimir a sua própria vontade. Daí se encaixa o ditado popular que diz "as aparências enganam". Porém, quanto maior for a evolução do espírito, maior será o efeito dessa causa. Por exemplo, uma pessoa de alta evolução, não consegue deixar de mostrar a sua bondade perante a comunidade.

O amor puro é fruto de elevada evolução e não se pode retroceder fazendo o mal. Por outro lado, um indivíduo de baixa evolução, também exterioriza as suas vontades, podendo matar, roubar, prejudicar os outros etc. Entretanto, as suas virtudes, com tendência a seguir no caminho do bem, existem no fundo de seu Ser.

Com a evolução, todo o homem, por mais inferior que esteja, já adquiriu algum progresso e sabemos que a Terra é um planeta de evolução intermediaria, existindo muitos outros que abrigam espíritos de mais baixo nível de evolução. Assim, aparentemente é possível observar um pouco da evolução do Espírito através de seu comportamento. Quando um indivíduo norteia a sua vida com os atributos da virtude dos sentimentos humanos, tais como humildade, amor ao próximo, bondade etc., encontra-se em nível mais alto do que aquele que apresenta comportamentos opostos. Por outro lado, todo efeito bárbaro tem como causa a inferioridade, mas isso também depende do grau de conscientização que o Espírito tem no momento de produzi-lo.

Sendo difícil o entendimento individual do homem, como seria uma avaliação numa família, numa pequena comunidade, num país e no planeta em geral? Quanto maior o grau evolutivo de cada integrante vivendo em sociedade, maior será a evolução dessa sociedade. O ponto de entendimento será, portanto, a EVOLUÇÃO ESPIRITUAL, que pelo visto, envolve uma complexidade enorme de fatores nos diferentes níveis evolutivos existentes, e nem poderia ser diferente.

Com a felicidade crescente com a própria evolução humana, as pessoas vivem mais felizes nos mundos mais adiantados, pois os sentimentos negativos do homem podem não existir, ou se houver, serão em menor grau. Assim, conforme bem esclarecido pelos Espíritos na Codificação do Espiritismo, há uma infinidade de diferentes comunidades com diferentes graus evolutivos.

Como o homem possui o seu livre-arbítrio, a sua velocidade evolutiva depende exclusivamente de seu próprio esforço, através da luta constante que faz contra suas imperfeições. Se um local é habitado por grande número de pessoas com baixo nível evolutivo, nele existe fortemente o materialismo e, a natureza, que é o local da criação necessária a evolução espiritual, é desconsiderada pelos seus habitantes, acarretando forte aniquilamento das características físicas do local, em função do orgulho, egoísmo e vaidade.

Como parte integrante do homem, existem duas variáveis definidas na sua evolução, a intelectual e a moral, e as duas não caminham necessariamente juntas. Embora isso deva ocorrer em níveis elevados de evolução.

Vamos raciocinar nessa linha e imaginar que exista um planeta em que grande parte de seus habitantes, evoluíram bem mais a parte intelectual em relação a moral. Esse planeta apresenta um grande avanço tecnológico, sem nenhum escrúpulo, com grandes desigualdades sociais. Existem bombas com forte poder de destruição, desmatamentos, forte poluição ambiental, apesar de programas antipoluição. Neste caso, haveria grande possibilidade de destruição total do planeta, por não existir, ou em pequena proporção, preocupação e respeito ao próximo. Cada um se interessa consigo mesmo. Existe mesmo uma "luta pelo poder", onde os mais fortes vivem melhor em detrimento dos mais fracos. Se você pudesse fazer algo, o que você proporia nessas condições? Deixaria o planeta se autodestruir? Proporia enviar alguém para ensinar o amor ao próximo e salvar o planeta? Quanto tempo você acha que seria necessário para elevar a evolução moral de seus habitantes? Digo, pouco ou muito tempo, e não em dimensão definida. Quais seriam as possibilidades de sucesso de uma pessoa, ou de muitas pessoas nessa missão? Vejam como nossa imaginação pode ir longe!

Bem, graças ao Espiritismo, podemos imaginar uma proposta coerente para este caso, de acordo com as nossas possibilidades, que são pequenas. Qual seja, o de substituir, em grande massa, e de acordo com as possibilidades reencarnatórias do planeta, as pessoas com maior avanço intelectual e atrasadas moralmente, por pessoas, talvez de avanço intelectual semelhante ou superior, mas que apresentam boa evolução moral com muito amor para o bem comum. Esses espíritos gostariam de começar a trabalhar o quanto antes, já na fase de criança. Certamente o avanço tecnológico iria continuar, mas provavelmente, haveria propostas de desarmamento, preservação ambiental, preocupação com as injustiças, miséria e a fome. Surgiria uma tendência natural para a globalização do planeta em busca de uma vida melhor em todas as micro comunidades. O sofrimento individual seria preocupação de todos. Haveria a busca pelo conforto, mas somente com vistas ao bem comum, sem abusos e excessos desnecessários.

No início desse processo, muitas pessoas seriam mortas prematuramente por assassinatos com sofrimentos, discriminações e outras tantas formas possíveis, principalmente naquelas regiões com menores evoluções morais. Porém, certamente deixariam plantadas, com exemplos de vida, as sementes da nova era, que com muito amor, se multiplicariam em seguida. Haveria a revolução total do planeta, nos hábitos, costumes, religião, sem uso da força, ou seja, sem violação da consciência de ninguém. Aconteceriam coisas que pareceriam impossíveis de serem realizadas, como a paz entre dois povos rivais.

Todos trabalhariam por amor próprio e com um objetivo único que seria a evolução eterna no caminho do bem. Se esse processo obtivesse sucesso, a vida se modificaria nesse planeta e ele subiria na escala evolutiva e não mais seria morada de espíritos inferiores.

Evidentemente, isso deveria ser um processo lento (?), envolvendo fases de preparação, adaptação e transição, dada a complexidade da vida como um todo.

Bem, voltemos aos dias de hoje. Vamos observar atentamente tudo o que está ocorrendo ao nosso redor e acreditar que a Providência Divina está sempre atenta a tudo o que acontece no infinito. Muita coisa que podemos interpretar como atraso de vida, poderá ser exatamente o contrário, ou seja, como sinal de evolução. Os padrões de moralidade e obediência existentes hoje, foram impostos às sociedades tendo em vista os interesses das mais variadas facções da época. A tradição se encarrega de disseminá-los de geração em geração.

Acreditemos que somos parte integrante de um grande sistema onde se processa a vida e que devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para a harmonia geral. Evitemos o lamento e ociosidade improdutivas. Somos necessários a esse sistema e dele nos dependemos. Independentemente do que ocorrerá no momento, como designo da Providência, esperamos também estar colaborando para a nossa bela e adorada Terra e o bem comum rumo a felicidade eterna.


 Fonte: artigo publicado em Boletim GEAE, n. 192, 11/06/1996


Sobre o autor

Raul Franzolin Neto: nasceu em Botucatu-SP e desenvolveu sua infância e adolescência em Itatinga-SP. Formou-se Médico Veterinário e tornou-se Professor Titular e pesquisador da USP. Escritor espírita foi o fundador do primeiro grupo espírita da internet, o GEAE - Grupo de Estudos Avançados Espíritas. Atualmente é o editor principal e webdesigner da página do GEAE.