Tem sido desafio em todos os tempos mantermo-nos coerentes com as noções de justiça e bondade que gradativamente vamos adquirindo pelas experiências de vida, sejam nos relacionamentos ou até mesmo com as reflexões interiores sempre presentes. Afinal sempre é tempo de nos perguntarmos se somos coerentes com o que já sabemos ou afirmamos saber, quando confrontamos tais conteúdos com as posturas e comportamentos que adotamos. Ou, em outras palavras, se estamos com as ilusões da aparência.

Num planeta com tantos extremos que todo dia apresenta quadros de mediocridade e violência, igualmente contrastando com as belezas e harmonia da natureza, é de se perguntar mesmo como estamos...

Há uma afirmação do Apóstolo Paulo que nos ajuda nessa reflexão. Acompanhe comigo página do capítulo 23 do livro Caminho, Verdade e Vida (ed. FEB, autoria de Emmanuel):

“Na epístola aos romanos, Paulo afirma que o justo viverá pela fé.
Não poucos aprendizes interpretaram erradamente a assertiva. Supuseram que viver pela fé seria executar rigorosamente as cerimônias exteriores dos cultos religiosos.
Frequentar os templos, harmonizar-se com os sacerdotes, respeitar a simbologia sectária, indicariam a presença do homem justo. Mas nem sempre vemos o bom ritualista aliado ao bom homem. E, antes de tudo, é necessário ser criatura de Deus, em todas as circunstâncias da existência.
Paulo de Tarso queria dizer que o justo será sempre fiel, viverá de modo invariável, na verdadeira fidelidade ao Pai que está nos céus.
Os dias são ridentes e tranquilos? Tenhamos boa memória e não desdenhemos a moderação. São escuros e tristes? Confiemos em Deus, sem cuja permissão a tempestade não desabaria. Veio o abandono do mundo? O Pai jamais nos abandona. Chegaram as enfermidades, os desenganos, a ingratidão e a morte?
Eles são todos bons amigos, por trazerem até nós a oportunidade de sermos justos, de vivermos pela fé, segundo as disposições sagradas do Cristianismo”

A expressão “o justo viverá pela fé”, de Paulo, extrapola a falsa noção que atribuímos a esse viver, como se ele fosse o mero cumprimento de aparências estabelecidas. A fé não está atrelada a aparências; há que ser cultivada, conquistada, construída, meditada, vivida, portanto, nos esforços do comportamento coerente com o conhecimento, em qualquer circunstância, para a conquista de uma postura coerente que não seja mera aparência...


Sobre o autor:

Orson Peter Carrara: Nasceu em Mineiros do Tietê-SP. Orson é escritor, jornalista, editor e orador espírita, publicando artigos nos principais órgãos da imprensa espírita brasileira e internacional. Autor de vários livros e palestrante em todo o país. Seus textos caracterizam-se pela objetividade e linguagem acessível a qualquer leitor, estando disponibilizados em vários sites de divulgação espírita. Reside atualmente em Matão-SP.